Número total de visualizações de página

27 de novembro de 2011

A minha leitura do dia

O dia de hoje ficou marcado, para alem do derby lisboeta, por declarações importantes de personalidades relevantes da política portuguesa:
1. Três ex-presidentes da Republica decidiram manifestar as suas preocupações pela situação que de vive em Portugal e na Europa. Todos em sentido coincidente, apontando a necessidade em que se encontram soluções que permitam enfrentar a crise com crescimento da economia, ultrapassando as soluções que vêem na austeridade a quase exclusiva solução.
É importante que sejam ouvidos. Mas o nosso PM insiste em considerar que, antes de qualquer intervenção europeia, nomeadamente ao nível da alteração da missão do BCE, se deve punir, com forte penitencia, os ditos países indisciplinados. Persiste, quase sozinho, em ecoar as soluções que chegam da Sra. Merkell;
2. O Presidente da Republica, Cavaco Silva, insiste, e bem, em apelar para que se encontram soluções que introduzam maior equidade nos sacrifícios que estão a ser pedidos aos portugueses.
Seria bom que fosse ouvido. Mas tambem a este apelo o PM responde com silencio nao dando qualquer sinal relevante de compreeensao, persistindo na defesa do seu orçamento, carregado de insensibilidade à equidade das medidas propostas;
3. Finalmente o PM tambem falou e, desta vez, para dizer que esta disponível para modular os cortes dos subsídios de ferias e Natal, ponderando a hipótese de rever os valores a partir dos quais esses subsídios deverão ser cortados.
Mas, pasme-se, faz depender essa hipótese, nao de uma avaliação do Governo, quanto à sua justiça em si, mas da evolução da posição do PS.
Mas o PS nao apresentou as suas propostas, e nao disse que a sua votação no orçamento nao dependia da posição final do Governo? E, assim sendo, nao caberá ao Governo decidir, por si, o que entende ser justo?
Nao será tempo de o Governo mostrar capacidade de ouvir um pouco mais e tentar encontrar canais de dialogo e tentar acompanhar as preocupações e os alertas que, cada vez mais sectores da sociedade portuguesa, lhe dirigem?
Ficam aqui estas reflexões.

Sem comentários: