Número total de visualizações de página

15 de julho de 2011

A propósito das primárias no PS

O António Costa, na Quadratura do Circulo de hoje, vê bem a questão das primárias no PS. Reconhece que a questão das primárias é sedutora mas não isenta de problemas..Mas uma questão que valerá a pena discutir tendo em vista alargar o universo da participação na vida dos partidos. É por isso que eu acho que o assunto deve ser discutido com calma, num momento pós-eleitoral, no quadro da reorganização do PS e da revisão dos seus estatutos. E isso vai acontecer. AJS, tendo uma proposta diferente de Assis, já se comprometeu em fazer essa discussão.

Será, seguramente, um debate interessante e inovador. Acho que se encontrará um modelo equilibrado que se ajuste ao facto de o PS ser um partido de militantes, mas também de eleitores. E que qualquer abertura tem que salvaguardar a defesa do Partido face às intervenção, na sua vida, de interesses estranhos ao projecto socialista. A definição do universo de participação não é, por isso, matéria pacifica, tal como o próprio processo de participação em decisões que, até agora, são monopólio dos órgãos dirigentes do Partido, aos seus diferentes níveis. Actualmente os militantes, directamente, não escolhem candidatos a qualquer cargo público. Quem o faz são os órgãos dirigentes, com excepção dos candidatos às Juntas de Freguesia que, aí sim, a decisão cabe à Secção de residência onde todos os militantes podem, formalmente, participar.

Por isso temos aqui um assunto que merece ser discutido. e vai sê-lo.

.

3 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Caríssimo Alexandramigo

Há quanto tempo não te via? Sei lá, mas creio que desde o Terciário Superior. Agora, através do malandro-diplomático Chico Seixas da Costa, encontro-te e fico muito feliz com isso.

O nosso PS anda malzinho, lá isso anda, mas tem energia, raça e capacidade para se reorganizar. Refundar penso que é termo exagerado.

Concordo com o que escreves, mas entendo que devo aditar algo mais: o Partido precisa de bons dirigentes; mas os bons dirigentes precisam mais de um bom Partido.

Prontos(sem s) camarada - acho que ainda posso utilizar o termo... - espero-te na minha Travessa que terá muito prazer em ser também tua.

Abç

Alexandre Rosa disse...

Caro Antunes Ferreira
Bom saber de ti..já lá vão uns anitos..mas por cá continuamos, sempre camaradas...e com preocupações idênticas..Estou de cordo contigo. Bons dirigentes e um PS mais abrangente,masi moderno e mais qualificado...Vamos lutando para isso..
Abraço e vai aparecendo...

Paulo Pedroso disse...

Tens razão, Alexandre. Sempre que queremos manter silêncio sobre uma questão que nos possa embaraçar, nada como propor um grupo de trabalho ou uma ampla discussão. Era essa a posição dos que não queriam aprovar a quota de 25% para mulheres ou a criação das concelhias, ou a eleição directa do SG. Houve sempre essa posição, umas vezes perdeu e outras ganhou. Mas nunca os que pediam o adiamento da decisão para debater estavam a favor no fim do tal debate... O hábito vem de longe fora e dentro do PS. Espero sentado o resultado do tal debate que seguramente teremos, com um stock de bebidas frescas para os verões e outro de bebidas quentes para os invernos.