Número total de visualizações de página

21 de junho de 2011

A crise grega, o interesse alemão e o futuro do euro

Vivemos hoje um momento decisivo para o futuro do euro e da Europa. A decisão do Parlamento grego, sobre o novo pacote de ajuda em negociação com a UE e FMI, que vai ser conhecida hoje com a votação da moção de confiança apresentada pelo governo socialista grego, pode ditar o inicio de um caminho de grandes dificuldades para a moeda única e para a própria Europa. É, por isso, com preocupação, tal como afirmou hoje António Vitorino na SIC N, que aguardo o resultado dessa reunião histórica do Parlamento grego.
Mas parece que foi preciso este agravamento da crise grega para ouvir palavras sensatas da Sra. Merkel. Ouvi hoje, com agrado, a Chanceler alemã reconhecer e afirmar que a questão grega não diz respeito só à Grécia e que a crise das dívidas soberanas é um problema, não só dos Países que a enfrentam com maior gravidade, mas que é um problema de toda a zona euro, da Europa e da própria Alemanha. Reconheceu, também - até que enfim que a Alemanha, enquanto País exportador, é uma beneficiária da existência do euro e de uma Europa livre de crises, uma vez que 2/3 das suas exportações são feitas para o espaço europeu. E por isso,conclui a Sra.Merkel, é do interesse da Alemanha ajudar a resolver a crise grega.
São boas declarações. Esperemos que sejam consequentes e que signifiquem, finalmente, um sinal de que se trabalhará, de forma consistente, para encontrar um resposta europeia, a uma crise europeia e que proteja a Europa.

3 comentários:

Pereira da Costa disse...

Caro Alexandre Rosa li a sua publicação e o que de novo tem é a assunção da senhora merkel em reconhecer que a crise, é europeia e, que todos estão envolvidos, inclusive a sua Alemanhã.
Para mim já o dissera e todas as notícias que tem vindo alume, recentemente clarificam a essa realidade.
Qualquer terramoto na Grécia e lá vão as grandes estruturas financeiras e bancárias, por água abaixo, acompanhadas da falência dos países.
O que lamento são os orgãos de comunicação social andarem intoxicados e regulados pelos seus donos e não denunciarem estas notícias e a situação gravíssima e preocupante de colapso,em especial, a comunicação especializada, que teria a obrigação de informar e avisar uma população incauta sobre esta problemática,esta na esperança que a crise seja ultrapassada.
Implantei a mim próprio um silêncio absoluto de 100 dias em comentar no facebook. Obriga-me a não poder denunciar estes problemas.
Alexandre tem todo o meu apoio em esclarecer e colocar ao corrente todo um país que vive na ilusão que tudo será uma questão de tempo e que muito rapidamente já não existirá mais crise.
Cumprimentos

Fada do bosque disse...

São aqueles considerados os aldrabões e fatalistas, os que fazem chegar certa informação através da Web a alguns cidadãos. Claro que não acreditam nesses gurus da desgraça, como frequentemente lhes costumam chamar... neste vídeo, Alex Jones tenta explicar a importancia da crise grega e as consequências, que dentro em pouco todos iremos sentir na pele. Quanto à comunicação social, mesmo a especializada, trabalha para o Sistema financeiro. O trabalho deles é manter as populações iludidas até ao remate final.

Fada do bosque disse...

http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/123961